21 de jan de 2012

A NOVA JORNADA E A POLÊMICA

Sei que vai ter gente me crucificando, mas nao sou de omitir opinião. Então vamos lá, já que este é o assunto da semana.

Inicialmente, acho importante lembrar que os professores paulistas já vinham ganhando dez minutos remunerados a cada aula no diurno e quinze no noturno. Não foi por falta de implorarmos uma revisão na 836/97. Mas isso não aconteceu. 
Então criou-se na rede uma idéia maluca de hora-aula e hora-relógio e eu confesso que pra mim isso é muito estranho. Hora é hora. São sessenta minutos, oras. Não há o que ser discutido, e é isso justamente que  a legilação atende.

Aí vem a federação e publica uma lei que exige uma parte da carga horária sem alunos. Carga horária, percebem?

Entendo que o proposto pela SEE atende o que a legislação federal exige. Se foi manobra, se foi perverso, se foi sujo na sua opinião, eu nao concordo. Mesmo porque eu sou servidora da mesma rede e nunca tive oitenta minutos de brinde a cada dia, muito pelo contrário. Digo isso porque um professor que dava oito aulas num mesmo dia, até 2011, tinha oitenta minutos de remuneração sem estar dentro da escola, isso sem contar as HTPL's. Mesmo assim, alguns professores ainda se viam no direito de elaborar/corrigir avaliações nas HTPC's.

Preciso deixar claro que nao estou contra os professores, muito pelo contrário. Trabalho em um grupo espetacular, com uma grande maioria muito comprometida e consciente. E tenho certeza que esta mesma maioria vai concordar que o dinheiro público deve ser usado de maneira coerente e útil, e não simplesmente jogado no ralo.

Agora, depois de publicada a tão esperada e misteriosa Resolução SE 08/12, vejo uma boa parte da categria se revoltando. Querem a todo custo que o professor com jornada integral (40 horas), permaneça apenas 26 horas com os alunos. A questao é que, como as coisas estão até o momento, 32 aulas representa 26 horas, mas parece que ninguém está enxergando isso. Se alguém puder me explicar a diferença, eu agradeço. Das 40 horas, 26 horas com alunos. Pra ilustrar melhor, vamo imaginar que as aulas tivessem 30 minutos. Então o professor daria 52 aulas, entendem? Tanto faz quantas aulas serão, desde que garanta-se 26 horas apenas com alunos.

Sabem o que vai acontecer caso essa insistência proceda? A SEE vai deixar as aulas com 60 minutos para que 26 aulas seja igual a 26 horas.

Sabem o que isso significa? Que o aluno terá apenas 5 aulas por dia, ao invés de 6.

E sabem qual será a tragédia maior? A matriz curricular terá que ser alterada e haverá diminuição de aulas em várias disciplinas.

Será que é isso mesmo que queremos? Atenção pessoal, vamos fazer as contas! Não é difícil.
Vamos parar de sonhar que a categoria teria grandes benefícios com essa lei federal que, diga-se de passagem, foi criada especialmente para redes em que não havia nenhuma hora de trabalho pedagógico remunerado. A rede paulista apenas se ajustou.

Professor, preste muita atenção no que você está reivindicando - o tiro pode sair pela culatra.

3 comentários:

carla disse...

Helida seu comentario é quase perfeito o unico detalhe , infelizmente esse governo levou ao pé da letra matematicamente , comeu alguns avos ,ele tirou esse ganho que realmente nunca entendia hora aula ou hora relogio a nosso favor 10 minutos e 15 minutos ( noite )por aula e apenas oficializou no htpl só que a sujeira está na maneira do arredondar ele poderia fazer o meio termo nem eles e nem nos na jornada inicial por exemplo entre 16 e 20 esta o 18 os professores de matematica e portugues poderiam com o aumento de uma aula no fundamental fechar com 3 salas e na jornada reduzida nem poderia ser 8 e não nove .Abraços Ale Jamil

Marcilene- Mazinha disse...

EU REALMENTE LAMENTO QUE UMA "COLEGA" DE PROFISSÃO ... DE CATEGORIA E DE "SOFRIMENTO" ...TÃO DESVALORIZADA QTO TODOS, USE TAIS PALAVRAS Q QUASE OFENDEM OU AGRIDEM OS PROFESSORES... DESCULPE !!! dIGAMOS Q ESSES TANTOS MINUTOS A MAIS Q RECEBEMOS, FIQUEM POR CONTA D TODOS OS DIAS PASSARMOS DO HORARIO, OU FICARMOS COM ALUNOS D OUTROS COLEGAS POIS NOSSO GOVERNO NÃO COLOCAR "EVENTUAIS" EM Nº SUFICIENTE... ENFIM, COSTUMO RESPEITAR A OPINIÃO DAS PESSOAS ,MESMO Q SEJA DIFERENTE DA MINHA ,MAS ACHEI MEIO OFENSIVA A FORMA C Q VC "FALOU"... cOMO POR EX : O TIRO SAI PELA CULATRA ... N GOSTO DESSA EXPRESSÃO... NÃO ACHO Q ESTEJAMOS ATIRANDO E SIM, TENTANDO A TODO CUSTO FAZER COM Q NOS RESPEITEM MAIS, REMUNEREM MELHOR, PERCEBAM Q SOMOS IMPORTANTES ... BEM , É ISSO !!!

Fábia disse...

5621Parece que o tiro já errou o alvo, mas quem atirou foi o próprio governo. A cada dia menos professores, menor a valorização profissional, maior a proletarização do professor. Discutir dez minutos não é de fato um problema. Precisamos de muito mais. Discutir quem sairá perdendo exigindo tão pouco me parece absurdo. Ou a carreira se torna mais atrativa e mais digna, ou o tiro acertará em cheio o que ele quer preservar: a qualidade do ensino.